segunda-feira, 29 de agosto de 2016

Olhos de gato - I

Aquele era um gato assustado
que miava, miava e não se ouvia o miado
Era um miado pra dentro, sufocado.
Comida, não lhe faltava.
Leite quente e pãozinho molhado .
Nenhum salmão, nem sardinha sequer. 
Mas ele miava sem parar.
Era novinho. Os bigodinhos bem aparados.
O pelo lustroso , bem oleoso. 
Na ponta da mesa, costumava ficar. Mirando
as fumacinhas dos pratos, o tilintar dos copos, 
o movimento da toalha e o vai vem dos olhares.
Ele sobrava. 
E não adiantava miar. 
A noite, uma caminha branquinha o esperava.
Carinhos e afagos na barriguinha.
Era hora de sonhar acordado até que o sono viesse.
E miar nem cogitava.
Ouvidos atentos para a música que vinha do rádio vizinho. 
Seus olhos giravam na penumbra da noite, criavam formas. As vezes animadoras, outras assustadoras.
Animadoras eram em dias de trovoada  com  relâmpagos e chuva. Assustadoras, eram pensar no banho. Na pelagem molhada, nos olhos ardidos de sabonete e nas longas horas de desembaraçar a pelagem. 
meruza  nem de longe , desconfiava suas origens.
Os olhos azuis denunciavam , mas ele sequer imaginava. 
Ficava a sismar por horas sentadinho. Nem piscava. 


5 comentários:

  1. Coitadinho do gato, imagino o medo dele ,já eu miava pra dentro, voz sufocada...Gostei de te ler! beijos,tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  2. Que belo Zizi, sua construção ficou bonita.
    Um gatinho que emociona.
    Bela imagem ilustrativa, gosto de ver os felinos e seu caminhar leve me cativa.
    Uma semana linda amiga.
    Bjs de paz.

    ResponderExcluir
  3. Muito belo e cativante querida amiga ,muitos beijinhos no coração.

    ResponderExcluir
  4. Só prestando atenção, bjbj Lisette

    ResponderExcluir
  5. Adoro os gatinhos. São espertos
    abraço

    ResponderExcluir

Feliz com sua presença!
Vou te aguardar com carinho!